A vitamina D é necessária para saúde e para prevenção de doenças

Se existe uma vitamina no mundo que pode ajudar a melhorar a saúde e bem-estar de uma pessoa, é a vitamina D (também conhecida como vitamina D3 ou colecalciferol). Antigamente, a deficiência de vitamina D era associada à proteção contra doenças ósseas, mas como a doença se tornou  rara, muitos presumem que deficiências de vitamina D não são comuns. Este pensamento está muito equivocado!

Felizmente, esta vitamina muito necessária pode ser fabricada e absorvida no corpo gratuitamente ao tomar um pouco de sol – as ondas de luz ultravioletas B (UV-B) do sol reagem com uma forma de colesterol em nossa pele para criar o hormônio da vitamina D, Porém, isso pode não ser suficiente para muitas pessoas conquistarem uma saúde melhor. Além disso, como muitas pessoas passam mais tempo dentro de casa do que fora, obter níveis sanguíneos adequados do sol é difícil e a maioria precisa de suplementos.

Milhares de estudos na última década mostraram benefícios à saúde quando se otimiza o consumo de vitamina D. Estes estudos nos dizem que pessoas com níveis mais elevados de vitamina D no sangue têm menos risco de ataques cardíacos, câncer de mama, câncer de cólon, esclerose múltipla, diabetes tipo 1 e tipo 2, pressão sanguínea elevada e outras complicações de saúde.

Mesmo com estas informações, evitar o sol é uma meta comum para muitos de nós.  Muitas pessoas no mundo todo, geralmente sob aconselhamento médico, fazem o possível para limitar seu tempo sob luz solar direta.  Isso é feito numa tentativa de prevenir os cânceres de pele de células basais e células escamosas, que essencialmente não têm risco de vida. Melanoma, a forma mais perigosa de câncer da pele, afeta 1 em 80 pessoas.  Porém, metade dos cânceres de pele do tipo melanoma ocorrem em áreas do corpo não expostas ao sol.

Em uma tentativa de se evitar ser 1 das 80 pessoas que têm melanoma, na verdade estamos aumentando nosso risco de câncer de mama (1 em 9), câncer de cólon (1 em 18) e câncer de próstata (1 em 6), ao limitar nossa exposição aos raios solares produtores de vitamina D.

Quais os riscos de baixos níveis de vitamina D?

Pressão sanguínea elevada (Hipertensão)

Pressão sanguínea elevada afeta um a cada quatro adultos. No mundo todo, 1 bilhão de pessoas têm pressão alta, que é um fator de risco principal para ataques cardíacos, insuficiência cardíaca congestiva, e derrames.  Mesmo existindo muitos motivos pelos quais uma pessoa desenvolve pressão alta, estudos mostram que homens com baixos níveis de vitamina D são seis vezes mais suscetíveis de ter hipertensão, enquanto mulheres têm quase três vezes mais chances. Manter um peso saudável, consumir uma dieta rica em frutas e vegetais e fazer exercícios de rotina também ajudam a controlar a pressão sanguínea.

Então, o que a vitamina D pode fazer? Estudos científicos mostram que a vitamina D ajuda a relaxar os vasos sanguíneos, que conduzem o sangue pelo nosso corpo, resultando em menor pressão sanguínea. A deficiência de vitamina D também é responsável em grande parte por aquelas pessoas com maior pigmentação da pele estarem em risco elevado de hipertensão.

Ataques cardíacos

A doença cardíaca é um assassino lendário nos Estados Unidos, Europa e Ásia. Nos Estados Unidos é responsável por mais de 1 milhão de mortes por ano. Um estudo na Universidade de Harvard mostrou que pessoas com maiores níveis de vitamina D no sangue tinham 80 por cento menos risco de ataques cardíacos comparadas àquelas com níveis sanguíneos menores.

Um estudo na Alemanha mostrou que pessoas com níveis mais baixos de vitamina D tinham cinco vezes mais chance de morrer de ataque cardíaco súbito comparadas a pessoas com níveis sanguíneos de vitamina D mais elevados. Muitos outros estudos mostraram resultados semelhantes.

Um estudo em 2017 concluiu que “… os níveis de vitamina D no sangue eram significativamente menores em pacientes com ataques cardíacos, especialmente na América e Ásia, e níveis suficientes de vitamina D no sangue podem proteger contra a ocorrência de ataques cardíacos.”

Câncer de mama

Câncer de mama afetará uma em nove mulheres durante sua vida. As mamografias ajudam a detectar cânceres existentes, mas prevenir a formação de câncer deve ser prioridade, e não apenas tentar descobrí-lo no início.

Ao mesmo tempo em que consumir uma dieta saudável e manter um peso normal também ajuda a prevenir câncer de mama, estudos mostram que a vitamina D também é importante. Um estudo de 2007 da Universidade da Califórnia em San Diego mostrou uma redução de 50 por cento no câncer de mama em mulheres que tinham níveis de vitamina D acima de 52 nm/ml (125 nmol/l). Outro estudo mostrou que essas mulheres que viviam em áreas mais expostas à luz do sol tinham uma redução de 25 a 65 por cento em câncer de mama.

Muitos outros estudos mostraram os benefícios da vitamina D na redução do câncer de mama.  Um estudo em julho de 2017 com quase 51.000 mulheres mostrou que a suplementação com vitamina D reduziu o risco de câncer de mama em 21 por cento em mulheres na pós-menopausa (isto é, que não menstruavam mais).

Câncer de cólon e estômago

De acordo com a Sociedade Americana de Câncer, o câncer de cólon conta com cerca de 8 por cento de todas as mortes por câncer em homens e 9 por cento de todas as mortes por câncer em mulheres. No mundo todo, mais de 1,3 milhões de casos de câncer de cólon ocorreram em 2016. Felizmente, a maioria dos casos pode ser prevenida.

Além de uma dieta saudável, rica em fibras, a vitamina D pode ajudar a prevenir o câncer de cólon. Cientistas mostraram que quem vive em áreas com mais luz solar tem taxas menores de câncer de cólon. Dois estudos, publicados em 2005 e 2007, mostraram que pessoas com mais vitamina D no sangue podem diminuir o risco de câncer de cólon em 50 por cento. Outro estudo concluiu que mais vitamina D resultou em 60 por cento menos câncer.

Um estudo em 2014 mostrou que pessoas diagnosticadas com câncer de cólon e que tinham níveis elevados de vitamina D no sangue, tinham menos probabilidade de morrer da doença do que as com níveis baixos de vitamina D. De maneira similar, um estudo em 2016 mostrou que o câncer de estômago era quase cinco vezes mais comum naqueles com deficiência de vitamina D.

Outras condições associadas à deficiência de vitamina D

Vários outros estudos mostram que pessoas com níveis baixos de vitamina D têm taxas maiores de:

  • Demência
  • Derrames
  • Doença arterial coronariana
  • Câncer de próstata
  • Câncer de ovário
  • Câncer pancreático
  • Fibromialgia
  • Quedas
  • Fraturas
  • Esclerose múltipla
  • Lúpus
  • Artrite reumatoide
  • Asma
  • Autismo
  • Psoríase

A importância da vitamina D é óbvia, e a suplementação é fundamental para a sua saúde.

E a toxicidade da vitamina D?

Não existe algo como “toxicidade da vitamina D”. Porém, pessoas que ingerem um excesso de 10.000 UI de vitamina D por dia por um período prolongado de tempo podem absorver muito cálcio resultante dos níveis de cálcio elevados no sangue, e ter um aumento nos cálculos renais. Pessoas com doença renal crônica, níveis de cálcio elevados no sangue e linfoma, precisam se consultar com seus médicos antes de começar a suplementação com vitamina D.

Conheça seu nível de vitamina D

Peça ao seu médico que verifique seus níveis de vitamina D. Ele vai precisar pedir um exame de sangue para vitamina D 25-OH.  A maioria dos laboratórios relatam resultados normais entre 30 ng/ml (75 nmol/l) a 100 ng/ml (125 mmol/l).  Um nível ideal de vitamina D no sangue deve estar entre 50 ng/ml a 100 ng/ml (125 nmol/l a 225 nmol/l).

Suplementação

A maioria dos adultos precisa tomar uma dose diária de Vitamina D (colecalciferol) variando de 2.000-5.000 UI de vitamina D. Alguns precisam de mais do que isso.  Mulheres grávidas e mães que amamentam também devem considerar suplementar a vitamina D com 5.000 UI por dia. A vitamina D pode ser tomada pela maioria das crianças saudáveis de 1 a 18 anos de idade. A dose normal é entre 1.000-2.000 UI por dia.

A suplementação da vitamina D é importante o ano todo. Porém, é ainda mais importante durante as estações do ano em que a luz do sol é mínima.  Alguns médicos podem recomendar uma prescrição de vitamina D2 (ergocalciferol), que é de 50.000 UI uma vez por semana.  Com base em pesquisas, a vitamina D3 é clinicamente mais eficiente e o suplemento de preferência.

Você também pode aumentar seus níveis de vitamina D passando 15 minutos no sol todos os dias, sem protetor solar, permitindo a exposição do seu rosto, braços e pernas. Atividades físicas de rotina ao ar livre têm muitos benefícios à saúde.

A prevenção de doenças crônicas é a chave para a longevidade e uma vida de qualidade.  A suplementação diária de vitamina D é o que realmente nos ajuda a atingir esse objetivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.
Para a compra desse medicamento é necessário o envio da CÓPIA DA RECEITA MÉDICA.     A Receita Médica pode ser escaneada ou fotografada e enviada via Whatsapp ou no próprio processo de compra online através da pagina MANIPULE SUA RECEITA, coloque na mensagem o número do seu pedido em caso de dúvidas chame no Whatsapp 2198333-9000 ou entre em contato através do e-mail [email protected] Seu pedido só será liberado após o envio da CÓPIA DA RECEITA MÉDICA, portanto, caso não possua receita médica não adquira o produto. ATENÇÃO: Segue abaixo os critérios que serão adotados para avaliação da receita médica: 1- A receita deverá ser legível, contendo nome do medicamento, dose e quantidade prescrita. Receitas que estiverem ilegíveis ou que possam induzir a erro e confusão não serão manipuladas. 2- A receita deverá conter a descrição de posologia (o modo de usar do medicamento); 3- A receita deverá conter a data de emissão, assinatura com carimbo do profissional habilitado, endereço do consultório ou da residência e o nº de inscrição do respectivo Conselho Profissional (CRM). 4- Receitas normalmente podem ser aviadas até 6 meses após a data prescrita. Avaliam-se exceções onde o médico escreve uso contínuo ou quando solicitar para não repetir a receita. 5- É imprescindível a apresentação e avaliação da receita pelo (a) Farmacêutico (a) para a manipulação do medicamento solicitado por meio remoto.