Intestino Preso – Guia Completo sobre a Doença (o que é, tipos, tratamentos e mais)

Problemas no intestino são freqüentes e a constipação intestinal é ainda mais comum, estima-se que cerca de 20% da população sofre da doença. Conhecida por diversas nomenclaturas – prisão de ventre, intestino preso ou intestino ressecado, a constipação está diretamente ligada à má alimentação.

Sofre com dificuldade de evacuar? Pode ser prisão de ventre! Tire suas dúvidas e conheça os sintomas e tratamentos para intestino ressecado.

O que é constipação intestinal ou prisão de ventre

A constipação intestinal ou intestino preso se caracteriza pela dificuldade em evacuar ou fazê-la de forma incompleta. Um dos principais sintomas são as fezes mais duras do que o normal.

Para compreender exatamente o que é e a causa da prisão de frente é preciso compreender sobre o funcionamento do intestino e a evacuação das fezes.

Quando se ingere um determinado alimento o sistema digestivo absorve os nutrientes e a água. O restante não absorvido é evacuado através das contrações musculares da parede do intestino.

A constipação intestinal acontece quando os alimentos não são devidamente evacuados, consequentemente o sistema digestivo pode absorver novamente a água e endurecer o bolo fecal, dando início à prisão de ventre.

Tipos de constipação intestinal

O intestino preso pode ser classificado em primário ou secundário:

Primária/funcional: é a mais comum e não envolve alteração estrutural ou metabólica, decorre normalmente de situações relacionadas aos hábitos e idade do indivíduo, sendo preponderante nas mulheres e idosos. Exemplo: ingestão de poucas fibras ou água.

A constipação intestinal funcional pode ser subdivida em de trânsito normal – tem-se a evacuação dentro da periodicidade aceitável, mas com dificuldades devido à rigidez das fezes, e trânsito lento, em que acontece o aumento das fezes no cólon pela debilidade dos movimentos de contração do intestino e diminuição das evacuações.

Secundária/orgânica: acontece pela existência de outras doenças ou condições que impactam a estrutura metabólica ou bioquímica, o que ocasiona a dificuldade de evacuação das fezes. Exemplo: tumor no cólon e proctite ulcerativa.

Sintomas do intestino preso

Prisão de ventre ou intestino preso é mais comum em mulheres e idosos. Nas primeiras devido às alterações hormonais e nos segundos por causa do aumento do consumo de remédios e pouca atividade física.

Os principais sintomas são:

  • Dificuldade em evacuar.
  • Fazer muita força para evacuar.
  • Fezes duras e ressacadas.
  • Sangramento ao evacuar.
  • Sensação de evacuação incompleta.
  • Dor e desconforto abdominal.
  • Barriga inchada.
  • Diminuição das idas ao banheiro.
  • Mau humor e irritabilidade.
  • Cansaço e indisposição.
  • Gases e cólica.
  • Distúrbios digestivos como má digestão e azia.
  • Dificuldade de concentração.

Uma pessoa sem problemas de intestino preso deve evacuar fezes sólidas ou pastosas, sem presença de sangue, pus, muco ou restos alimentares, três vezes ao dia até a cada três dias.

A prisão de ventre de forma esporádica é normal, contudo, há pessoas que sofrem com intestino preguiçoso, muitas vezes citado como metabolismo lento, isso faz com que o abdômen fique inchado e aparente que a pessoa engordou.

Seguir uma boa dieta para constipação ou para “desinchar”, rica em fibras, é uma excelente maneira de diminuir o inchaço abdominal.

Tratamentos

Uma das dúvidas mais frequentes é como acabar com a prisão de ventre? Tudo dependerá do tipo de constipação, pois quando desencadeada por outra doença é necessário tratar a principal.

A boa notícia é que tratamentos naturais, alimentação adequada, remédios e medicamentos homeopáticos podem diminuir ou até mesmo acabar com o problema de intestino preso.

Abaixo falaremos um pouco sobre cada opção.

Remédios Farmacêuticos

A maioria dos medicamentos fornecidos e indicados por especialistas na área de saúde para casos de intestino preso são laxantes, por exemplo: Lactopurga, Dulcolax, Minilax e Lactuliv.

Também, podem ser receitados o Brometo de Pinavério, Buscoduo e o Digestil em gotas.

Remédios Manipulados

Existem no mercado remédios Manipulados que ajudam a soltar o intestino preso e são menos agressivos do que os laxantes comumente utilizados e que tem ação rápida, mas tornam o intestino dependente deles.

Os remédios homeopáticos são opções naturais com menor efeito colateral. Segue alguns exemplos:

  • PEG 4000: O PEG 4000 (polietilenoglicol 4000) é um polímero seguro e eficaz no tratamento da constipação intestinal. Atua por osmose, aumentando a quantidade de água no intestino, com consequente aumento do tamanho das fezes e melhora da sua consistência. O objetivo do tratamento inclui o estímulo da produção de fezes na textura adequada para que não provoque dor no momento da sua eliminação.
  • Naturetti, Tamarine: são laxantes naturais feitos à base de sene e associação. São encontrados em farmácias de homeopáticos ou drogarias, na forma de geleia ou cápsulas. São indicados para diabéticos porque não têm adição de açúcar.
  • Fiber Mais (Nestle): é um mix de fibras solúveis prebióticas, que auxiliam o funcionamento do intestino e regula a flora intestinal. É encontrado nas versões Fiber Mais – Fibra Alimentar, Fiber Mais com Colágeno e Fiber Mais – Flora. É vendido em latas de 260 g ou saches, em farmácias ou drogarias.
  • Laxol: é um laxante natural feito à base de óleo de rícino, ajuda a melhorar a evacuação e possui rápida ação. É encontrado em lojas de produtos naturais ou farmácias, sob a forma de solução oral.

É preciso utilizar esses remédios naturais com a devida orientação médica para evitar efeitos colaterais desagradáveis e para atingir o efeito desejado.

Há também alimentos que tratam o intestino preso.  São fáceis de preparar e podem ser incluídos nas refeições do dia a dia sem contraindicação.

Alimentos que soltam o intestino rapidamente

Já se perguntou o que é bom para soltar o intestino? Há alimentos que são verdadeiros remédios naturais para prisão de ventre e que podem ajuda-lo, separamos os melhores, veja:

1.   Suco de tomate

O tomate é rico em fibras e aumenta a quantidade de água nas fezes, favorecendo sua eliminação. É recomendável que seja consumo em jejum, antes do café da manhã. Vamos à receita do suco.

Ingredientes:

  • 2 tomates picados.
  • 250ml de água.
  • 1 colher de sopa de açúcar.

Preparação:

  • Cozinhe os tomates picados com açúcar e a água, por 45 minutos, mexendo sempre.
  • Retire do fogo e deixe descansar por 15 minutos.
  • Coloque em um recipiente e leve à geladeira, deixando lá por uma noite.
  • Tome gelado, pela manhã.

 

2.   Mel

O mel é composto por diversos açúcares de fácil digestão que ajudam no funcionamento do intestino. Basta tomar uma colher de sopa de mel com um copo de água morna todas as noites antes de dormir e toda manhã ao levantar.

Utilize o mel também para adoçar chás, infusões, leite e sucos, ajudará o trânsito intestinal.

3.   Aveia

Para quem tem constipação intestinal, a aveia é um excelente remédio natural. Ela é um cereal rico em fibras, vitaminas e minerais que ajudam a combater o colesterol, a perder peso e tratar problemas digestivos.

Adicione a aveia ao leite, sucos, saladas de frutas, iogurtes e vitaminas, com isso terá uma boa dosagem de fibras ao dia. Você pode fazer também o mingau de aveia para ser consumido no café da manhã ou à noite, antes de dormir. Veja como fazer:

Ingredientes:

  • 1 colher de sopa de farinha de aveia.
  • 1 xícara de chá de leite.
  • Açúcar ou mel para adoçar.

Preparo:

  • Dissolva a aveia no leite, antes de levar ao fogo.
  • Em uma panela, com fogo médio, acrescente a mistura do leite com a farinha de aveia e coloque o açúcar ou mel.
  • Mexa até ficar cremoso.
  • Desligue e se sirva.

 

4.   Sementes de linhaça

A linhaça é uma semente rica em fibras, ômega 3 e ácidos graxos, por isso faz parte do grupo dos alimentos funcionais, aqueles que nutrem e ajudam o bom funcionamento do organismo.

A riqueza em fibras faz da linhaça um laxante natural eficaz. É só adicionar a linhaça ao feijão, saladas, sucos, vitaminas, leite, iogurte e frutas para seu intestino funcionar regularmente.

Pode-se também colocar a linhaça em receitas de bolos e tortas, fica saboroso e nutritivo. É encontrada em lojas de produtos naturais e farmácias.

5.   Farelo de trigo

O farelo de trigo é um cereal rico em fibras insolúveis que atuam como eficiente laxante, além de proteger as hemorroidas.

O cereal pode ser adicionado a sopas, saladas, vitaminas e outras refeições. Assim você conseguirá consumir uma quantidade suficiente de fibras por dia, ajudando o funcionamento regular do intestino.

6.   Espinafre

O espinafre é excelente para regular as funções digestivas e regenerar o intestino, melhorando seu funcionamento. Seu consumo pode ser feito cru em saladas, cozido no vapor ou em vitaminas, batendo 1 xícara de espinafre com ½ xícara de água no liquidificador. Tome duas vezes por dia, de manhã (em jejum) e a tarde.

7.   Suplementação de magnésio

O cloreto de magnésio auxilia na digestão, no peristaltismo intestinal, no relaxamento dos músculos e de todo sistema digestivo.

A falta desse mineral pode estar relacionada com vários problemas gastrointestinais. Procure orientação médica para saber se você pode fazer essa suplementação.

8.   Probióticos

Uma das causas para o intestino preso é a flora intestinal desequilibrada. Os probióticos auxiliam na produção de bactérias boas e combatem o excesso das bactérias ruins para o intestino, permitindo seu funcionamento adequado, com mais idas ao banheiro para evacuar e na melhoria da consistência das fezes.

Frutas que soltam o intestino

As frutas são grandes aliadas para aqueles que têm intestino preso. Elas são ricas em fibras, vitaminas e minerais que auxiliam no funcionamento regular do intestino. Veja as que mais ajudam o seu intestino.

1.   Mamão

É rico em fibras, sais minerais e betacaroteno (antioxidante, responsável pela obtenção da vitamina A). Ajuda a regular o sistema digestivo, favorecendo o trânsito intestinal.

Você pode usar mamão em vitaminas com outras frutas, com granola, no suco verde, com castanhas, linhaça triturada, com biomassa de banana verde e ameixa preta.

2.   Abacate

As gorduras monoinsaturadas presentes no abacate auxiliam na lubrificação das fezes, facilitando a evacuação.

É uma fruta versátil que pode fazer parte de receitas doces ou salgadas.

3.   Maçã com casca

É rica em fibras insolúveis e pectina que deixam as fezes amolecidas e volumosas, melhorando o trânsito intestinal, aliviando a dor.

Seu consumo pode ser feito crua com a casca, saladas de frutas ou vitaminas.

4.   Limão

As fibras presentes no limão ajudam a promover um esvaziamento do intestino ao irritar a mucosa e estimular o movimento peristáltico que gera a vontade de evacuar.

Além do esvaziamento do intestino, o limão ajuda a eliminar as toxinas do organismo.

Esprema ½ limão em uma xícara de água morna, coloque uma pitada de sal e uma colher de sopa de mel. Beba em seguida, de jejum.

5.   Ameixa

A ameixa é um laxante natural bastante conhecido. É rica em antioxidantes, ferro, vitamina A, fibras e potássio. Ela favorece a digestão e o funcionamento do intestino.

Pode ser consumida a fruta crua com casca, desidratada, com iogurte, em saladas, sobremesas e bolos.

6.   Laranja

A laranja é rica em água, que hidrata as fezes e as deixa amolecidas. O bagaço tem enorme quantidade de fibras e é ele que te fato ajuda o intestino a trabalhar. O suco de laranja não te grande quantidade de fibras, já que o bagaço é jogado fora.

A melhor forma de ingerir as fibras da laranja é comendo a fruta com o bagaço.

Prisão de ventre em bebê

A prisão de ventre em bebês acontece com frequência, principalmente em casos que a alimentação se dá por fórmula e não aleitamento materno.

As características frequentes que o bebê demonstra ao ter prisão de ventre são:

  • Fazer força para evacuar, inclusive apresentando vermelhidão no rosto.
  • Cocôs em forma de bolinhas duras.
  • Gases são frequentes.
  • A barriga fica mais durinha.
  • Pode sofrer de diarreia.
  • Pode apresentar cólicas.

Em casos de crianças maiores que já ingiram alimentos, a prisão de ventre pode ser causada pela falta de fibras ou água, já que 80% do cocô é constituído por água.

A melhor forma de evitar a prisão de ventre em bebês é usando opções de leites “substitutos” aos leites maternos mais apropriados como o Aptamil e o Nan confort.

Em caso de crianças maiores, a melhora da alimentação já pode solucionar o problema, caso contrário, consulte um médico.

Prisão de ventre na gravidez

O período de gestação é marcado pela mudança hormonal e corporal, e muitas vezes a prisão de ventre é relatada. A boa notícia é que o intestino preso na gravidez não prejudica o bebê, contudo, pode aumentar as cólicas e é bem desconfortante.

Para aliviar os sintomas e melhorar a evacuação, a gestante pode comer ameixa preta diariamente, inserir na dieta gestacional alimentos ricos em fibras e com alto percentual de água na composição e também ingerir muita água.

Lembre-se de sempre conversar sua médica, até mesmo porque é um período repleto de mudanças e você terá iniciado o acompanhamento pré-natal.

Dieta para constipação

Se o seu problema for unicamente a prisão de ventre selecionamos o que pode ou não fazer parte da sua alimentação para diminuir ou até mesmo acabar com o problema de intestino ressecado.

O que comer – Dieta para prisão de ventre

  • Frutas: mamão, ameixa, laranja, figo, damasco, pera, pêssego, uva-passa e abacaxi;
  • Alimentos integrais: macarrão integral, pão integral e arroz integral (principais);
  • Probióticos integrais: iogurte é muito importante!
  • Verduras: rúcula, agrião, alface, espinafre, aipo, nabo, brócolis, couve-flor, entre outras;
  • Cereais: a maioria possui fibra, mas dentre os melhores estão o farelo de trigo, quinoa e aveia em flocos;
  • Sementes: gergelim, semente de girassol, linhaça, chia.

Tão importante quanto inserir os alimentos certos na dieta é cortar os errados, veja abaixo os vilões número 1:

O que não comer – Você está proibida!

  • Alimentos rico em açúcar, e claro, o açúcar em si. Priorize adoçante.
  • Gorduras ruins e principalmente frituras.
  • Carnes processadas, pelo menos tente diminuir. Alguns exemplos: salsicha, presunto e bacon.
  • Fast food.

Diagnóstico

O diagnóstico médico é realizado através de processos/etapas, principalmente quando a constipação for secundária orgânica (causa for outra doença ou condição), pois exige uma análise e exames mais aprofundados.

Normalmente, o diagnóstico consiste, inicialmente, em uma consulta informativa, em que o paciente responde questões como:

– De quanto em quanto tempo evacua?

– Rigidez das fezes.

– Se existe alguma outra substância como sangue, pus ou muco.

– Cor e cheiro das fezes.

– Variação de peso corporal.

– O que o paciente sente e qual local.

Através das respostas e uma análise preliminar dos sintomas, por exemplo, observar ou toque na região abdominal apresentando inchaço, o médico pode fornecer o diagnóstico inicial.

Pode proceder com exame de toque retal e retoscopia, já que, em média, 50% dos casos de câncer no cólon podem ser encontrados dessa forma.

Exames básicos e outros específicos de sangue permitem descobrir inflamações e anemia, além de um acompanhamento evolutivo da doença.

Outro exame esclarecedor é a colonoscopia para averiguar alterações morfológicas.

Ainda, por até 72 horas, é possível acompanhar os movimentos contráteis colônica e pélvica através de exames de raios-X.

Dicas para acabar com a constipação intestinal

Veja algumas dicas que vão ajudar a prevenir a constipação intestinal e manter a sua evacuação correta:

  1. Mantenha uma dieta equilibrada e rica em fibras;
  2. Beba muita água, no mínimo 3 a 4 litros por dia;
  3. Evite o sedentarismo, pratique atividades físicas;
  4. Evite a dependência de laxantes, ao perceber a necessidade do uso, consulte imediatamente um médico;
  5. Use alimentos integrais;
  6. Evite frituras;
  7. Ao perceber os primeiros sintomas faça massagem para aliviar a prisão de ventre;
  8. Vá ao banheiro sempre que precisar e evite “segurar” a evacuação.

 

Síndrome do intestino irritável

Cuidado para não confundir a síndrome do intestino irritável com prisão de ventre.

O intestino irritável é uma doença e não tem cura, a prisão de ventre é um sintoma dessa doença. O tratamento permite diminuir e até acabar com os desconfortos, os quais podem durar anos ou a vida toda.

A síndrome do cólon irritável é um distúrbio intestinal sem uma causa conhecida. Tem sintomas como:

  • Dores abdominais intermitentes ou recorrentes;
  • Diarreia;
  • Prisão de ventre;
  • Aumento dos movimentos intestinais;
  • Inchaço.

Afeta com menor frequência crianças e a incidência maior ocorre após os 18 anos de idade.

Acredita-se que a maior parte dos casos de síndrome do intestino irritável esteja relacionada a fatores psicológicos como a ansiedade e estresse.

O tratamento é realizado com exercícios de Kegel, psicoterapia e terapia cognitiva-comportamental. Juntamente, podem ser ministrados medicamentos, dentre eles: laxantes, antibióticos, bloqueadores de dor (neuropático), remédios para diarreia e suplementos alimentares.

3 thoughts on “Intestino Preso – Guia Completo sobre a Doença (o que é, tipos, tratamentos e mais)

  1. Aparecida Pereira de Oliveira says:

    Olá, tenho prisão de ventre a muito tempo, faço de tudo p melhorar, mas mesmo assim não melhora, preciso urgente de uma solução para meu problema, preciso de ajuda por favor me ajudem!!! Não aguento mais comer, mamão abacate laranja aveia pão entegral, farelo verduras legumes, tudo que possa melhorar, só funciona com laxante 46, tomo as 16hs só dá resultado no outro dia entre 8 ou 9hs da manhã, isso me deixa preocupada!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.
Para a compra desse medicamento é necessário o envio da CÓPIA DA RECEITA MÉDICA.     A Receita Médica pode ser escaneada ou fotografada e enviada via Whatsapp ou no próprio processo de compra online através da pagina MANIPULE SUA RECEITA, coloque na mensagem o número do seu pedido em caso de dúvidas chame no Whatsapp 2198333-9000 ou entre em contato através do e-mail [email protected] Seu pedido só será liberado após o envio da CÓPIA DA RECEITA MÉDICA, portanto, caso não possua receita médica não adquira o produto. ATENÇÃO: Segue abaixo os critérios que serão adotados para avaliação da receita médica: 1- A receita deverá ser legível, contendo nome do medicamento, dose e quantidade prescrita. Receitas que estiverem ilegíveis ou que possam induzir a erro e confusão não serão manipuladas. 2- A receita deverá conter a descrição de posologia (o modo de usar do medicamento); 3- A receita deverá conter a data de emissão, assinatura com carimbo do profissional habilitado, endereço do consultório ou da residência e o nº de inscrição do respectivo Conselho Profissional (CRM). 4- Receitas normalmente podem ser aviadas até 6 meses após a data prescrita. Avaliam-se exceções onde o médico escreve uso contínuo ou quando solicitar para não repetir a receita. 5- É imprescindível a apresentação e avaliação da receita pelo (a) Farmacêutico (a) para a manipulação do medicamento solicitado por meio remoto.